Arquivo | Uncategorized RSS feed for this section

Os números de 2011

8 Jan

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2011 deste blog.

Aqui está um excerto:

The concert hall at the Sydney Opera House holds 2,700 people. This blog was viewed about 60.000 times in 2011. If it were a concert at Sydney Opera House, it would take about 22 sold-out performances for that many people to see it.

Clique aqui para ver o relatório completo

Dúvidas com TCC

20 Jun

Primeiramente, é necessário que eu diga que não tenho nenhum conhecimento acadêmico específico em metodologia de trabalho científico. Sou apenas uma curiosa formada, que já passou pelo TCC (e tirou nota 10) e dá dicas para facilitar a vida de quem está atravessando esse caminho. 

 

Durante meu processo de execução do TCC, anotei várias dicas dos professores e sinto muito prazer em compartilhá-las.

 

Se mesmo sabendo de minhas limitações, alguém quiser esclarecer alguma dúvida, além dos comentários aqui no blog, também deixei o meu e-mail abaixo da minha foto do perfil. E agradeço a gentil sugestão do Lucas Echimenco.

 

Mesmo que eu não atualize o blog com frequêcia, pois me faltam temas visto que já estou formada, estou sempre de olho no e-mail e respondo prontamente os questionamentos. Mesmo que seja para dizer que não sei a resposta e que preciso pesquisar à respeito.

 

E se alguém quiser sugerir temas que não foram abordados ou não estão devidamente esclarecidos no blog, por favor, deixe um comentário. Ficarei muito feliz em pesquisar temas úteis para os estudantes!

Abraços

Problemática do TCC: Elaborando a problema

17 Jun

Eu já estou formada, mas recentemente tive que elaborar uma nova problemática para um TCC e vi o quanto esta tarefa dá trabalho.

Resolvi acrescentar outras informações além das que postei aqui.

Primeiro, você deve ter em mente o tema (óbvio). E a partir dele pensar em uma pergunta, de preferência que não seja tão óbvia ao ponto de muitos estudantes já terem feito igual. 

 

Lembre-se que a problemática deve ser elaborada em forma de pergunta, pois o seu objetivo durante o trabalho será obter a resposta. A resposta pode não ser positiva. Por exemplo, você elabora a problemática pensando que tal fator determina o outro, porém a pesquisa bibliográfica ou de campo provaram que não, você não precisará trocar o texto da pergunta, basta colocar os dados obtidos e a resposta negativa na conclusão do TCC.

 

Não existe regras para uma problemática benfeita*, mas algumas expressões servem para nortear o processo:

  • De que forma?
  • De que maneira?
  • XXX pode ser considerado xxx?
  • Qual projeto/alternativa/opção mais viável para xxx?

 Ressalto que todo o trabalho é para RESPONDER a problemática, portanto, não a deixe muito ampla, pois seu estudo correrá o risco de ficar sem foco, e isso te dará um trabalhão! =) Espeficique o máximo que puder.

 Neste site existem algumas perguntas interessantes a serem feitas para verificar a viabilidade da questão problema: 

  1. Este problema pode realmente ser resolvido pelo processo de pesquisa científica?
  2. O problema é suficientemente relevante a ponto de justificar que a pesquisa seja feita (se não é tão relevante, existe, com certeza, outros problemas mais importantes que estão esperando pesquisa par serem resolvidos)?
  3. Trata-se realmente de um problema original?
  4. A pesquisa é factível?
  5.  Ainda que seja ‘bom’ o problema é adequado para mim?
  6.  Pode-se chegar a uma conclusão valiosa?
  7.  Tenho a necessária competência para planejar e executar um estudo desse tipo?
  8. Os dados, que a pesquisa exige, podem ser realmente obtidos?
  9.  Há recursos financeiros disponíveis para a realização da pesquisa?
  10.  Terei tempo de terminar o projeto?
  11.  Serei persistente?” (Rudio, 1999, p. 96).

E por fim, dificilmente seu primeiro esboço será uma problemática perfeita. Pelo menos para nós, meros mortais graduados ou em graduação, essa tarefa “simples” de elaborar uma única frase gastará tempo e ideias. Seja persistente e não poupe palavras neste momento. Dê o seu melhor, e acredite: um 10 no TCC vale a pena!

 

*Essa forma estranha de se escrever faz parte do novo acordo ortográfico. É importante que o TCC todo seja feito dentro das novas regras. 

Consórcios de exportação

3 Maio

            Exportar é uma atividade que pode trazer muitos benefícios às empresas, tais quais: redução de instabilidade e sazonalidade de mercado, ganho de economia de escala, plena utilização das instalações empresariais, importação de tecnologia oculta através das especificações feitas pelo comprador, ganho de prestígio, prolongamento do ciclo de vida útil do produto, entre outros. Entretanto, esta é uma tarefa árdua que envolve  burocracia e altos custos. Além do mais, o Brasil é um país com cultura exportadora frágil, fruto de uma inserção tardia e sem planejamento no comércio exterior.

 

As micro e pequenas empresas brasileiras, inseridas neste contexto, encontram ainda maiores empecilhos à exportação, devido a dificuldades estruturais próprias destas empresas, como falta de recursos, dificuldade de divulgação do produto, baixa escala de produção, falta de know-how.

 

Porém, agindo em conjunto com outras empresas, através de consórcios de exportação, esses problemas podem ser diluídos.

 

O consórcio pode ser descrito como a união de empresas com objetivos comuns, estabelecida juridicamente através de contrato, para realização de um empreendimento superior à capacidade individual de cada uma. É importante ressaltar que em um agrupamento do tipo consórcio de exportação, as empresas somente atuarão conjuntamente no mercado internacional, preservando assim, sua individualidade nas  vendas nacionais. Todavia, seu sucesso depende de cooperação e maturidade. É necessário primeiramente que as empresas comecem a pensar no próximo como semelhante e que estejam dispostas a se comprometer com o sucesso de seus parceiros. Um grande problema das uniões é que as empresas só se enxergam como rivais e é difícil abandonar velhos paradigmas do capitalismo, como “cada um por si e Deus por todos”.

 

Mas, superada esta desconfiança e por meio de muito planejamento e organização, os membros podem obter vantagens inestimáveis, como o rateio do custo de divulgação e logística do produto no exterior, tais como participação em feiras, contratação de pesquisas mercadológicas, transporte de mercadoria. Além disso, a sede do consórcio pode funcionar como um departamento de comércio exterior comum a todos os membros, o que reduz as despesas que haveriam com a elaboração de um departamento próprio, e ainda permite ao produtor uma relação mais íntima com o cliente, situação pouco provável no caso de exportação indireta (via empresa comercial exportadora, trading company).

 

Um importante passo para que os consórcios sejam efetivamente utilizados no Brasil seria a promulgação de uma lei própria, dando a seus membros a segurança de estarem trabalhando com configuração jurídica adequada (atualmente a legislação existente faz parte da Lei 6.404 de 15 de dezembro de 1976, das Sociedades Anônimas). Também é interessante a alteração do artigo que determina que o consórcio tenha um término predestinado, pois empreendimentos relativos à exportação devem ser planejados para execução a longo prazo.

 

Ainda assim, é possível encontrar no Brasil, algumas poucas, porém bem-sucedidas uniões entre empresas do tipo consórcio. Vale destacar o êxito que obtiveram os consórcios de software, em Campinas; de pedras preciosas e joias, em Minas Gerais; de moda praia e fitness, na Bahia.

 

Que estes e outros consórcios sirvam como exemplo para as empresas da região, que possuem potencial para mostrar ao mundo a qualidade dos produtos brasileiros, mas não o fazem por falta de oportunidade. E que se comprove na prática a sabedoria popular: a união faz a força!

 

Roberta Ferreira – é administradora, com registro nº 119.527 no CRA-SP, responsável pelo blog sobre dúvidas universitárias https://robertaferreira.wordpress.com/  membro associado do Grupo de Estudos de Comércio Exterior do Unifieo – Geceu. 

 

Artigo publicado no jornal Diário da Região do dia 03 de maio de 2011.

Os números de 2010

3 Jan

Os duendes das estatísticas do WordPress.com analisaram o desempenho deste blog em 2010 e apresentam-lhe aqui um resumo de alto nível da saúde do seu blog:

Healthy blog!

O Blog-Health-o-Meter™ indica: Uau.

Números apetitosos

Imagem de destaque

Um navio de carga médio pode transportar cerca de 4.500 contentores. Este blog foi visitado 15,000 vezes em 2010. Se cada visita fosse um contentor, o seu blog enchia cerca de 3 navios.

In 2010, there were 37 new posts, not bad for the first year! Fez upload de 53 imagens, ocupando um total de 10mb. Isso equivale a cerca de 1 imagens por semana.

The busiest day of the year was 17 de Novembro with 148 views. The most popular post that day was Problema do TCC (Problemática).

De onde vieram?

Os sites que mais tráfego lhe enviaram em 2010 foram pt.blog.wordpress.com, orkut.com.br, google.com.br, search.conduit.com e WordPress Dashboard

Alguns visitantes vieram dos motores de busca, sobretudo por problematica tcc, modelo de fichamento, fichamento tcc, fichamento e fichamento modelo

Atrações em 2010

Estes são os artigos e páginas mais visitados em 2010.

1

Problema do TCC (Problemática) Fevereiro, 2010
5 comentários

2

O que é Fichamento? Fevereiro, 2010

3

Modelo de relatório de estágio Abril, 2010
3 comentários

4

Plano de Negócio Fevereiro, 2010
5 comentários

5

About Dezembro, 2009
22 comentários

Plano de negócios

30 Abr

 Já tinha falado do plano de negócios aqui. Porém ele estava um pouco engavetado, já que estava organizando o projeto do TCC.

 

Em minhas palavras, o Plano de Negócios é um documento onde deve ser especificadas todas as características de uma empresa, TUDO deve ser registrado nele, desde missão, plano financeiro, plano de marketing e outras coisas, até a exportação. Isso é feito por empresas de verdade, para que consigam empréstimos, ingressar em incubadoras, ou simplesmente, organizar suas informações de modo eficiente. Na faculdade, é feito para que sintetizemos tudo o que foi aprendido desde que começam a estudar, no 1º semestre.

 

Acredite, contando assim não dá pra ter a menor noção do trabalho que isso dá.

 

Meu grupo teve um problema na escolha do produto que seria fabricado. Só pra constar: tem que ser um produto ou serviço, exportável e de preferência que o Brasil já exporta. Acabamos trocando de produtos 3 três vezes (eu via a hora que o professor ia nos bater).

  Continuar a ler